{lang: 'en-US'}

sexta-feira, 28 de setembro de 2012

Novo poema: Pretenso Amor.




Por Franz Lima.


Distante é o tempo passado
Em que vivia contente,
Pois do amor estava alienado
E dele não era carente.

Nesta época de trilhas árduas,
Por mais que eu sofresse,
Comparado ao hoje, não seria nada
Sem o qual não sobrevivesse.

Amor doentio em hora tardia
Que absorve minha alma com sofreguidão.
Quão pretensioso eu seria
Em tentar dominar sua emoção?

Bela paixão que tanto ambiciono,
Por que tanto me desprezas?
Largastes minha vida ao abandono
E meu sentimento às trevas.

Sei que sou pretensioso ao dizer
Que melhor estou em teu convívio,
Mas é este mesmo amor que me faz morrer
Que me prova que sem você não vivo.

Dito isso, o que fazer agora,
Já que me legastes ao abandono?
Sinto a alma do corpo para fora
E o torpor do eterno sono.

Fim triste que se aproxima,
Resultado de uma paixão não correspondida
Morrer é a minha maior sina,
Pois perdi teu amor e, com ele, a vida.
←  Anterior Proxima  → Página inicial

4 comentários:

  1. Pois é, caro amigo e poeta Franz...
    Eu sou um romântico eterno e, apesar de minha pouca idade, já tive de remendar o meu coração várias vezes. Agora sabe o que é mais estranho? Na maioria das vezes fui ferido justamente por amar sem amarras, fazer questão de demonstrar que amo e ceder gentilezas por quem estava enamorado (sim, cheguei a dar os tradicionais bombons e rosas kkkkkk). Às vezes penso que existe uma espécie de medo em nossa sociedade de se entregar a algo mais duradouro que um sorvete de fast-food, contudo nunca desistirei, espero que o coração continue suportando como um bom guerreiro, de ser como verdadeiramente sou, pois das duas uma: Encontrarei uma garota que busque o mesmo que eu (já conheci algumas assim, mas sempre moram em outros estados) ou irei rir da grande piada do universo ao permitir que as probabilidades se somassem para que eu existisse. Nos dois casos saio ganhando, irei rir por encontrar um alento ou rir por ser uma excelente piada kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk Enfim, parabéns pelo poema!

    Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ed, fico muito contente por você ter gostado do poema, porém ainda há muito a trilhar até ter o direito de receber o título de poeta rsrsrsrs.
      O amor é um caminho difícil a se seguir. O medo e a vergonha de expressar tal sentimento ainda são fortes em nossa sociedade, como você bem observou. Mas "é só o amor que conhece o que é verdade..."
      Grande abraço e obrigado por comentar.

      Excluir
  2. Belo poema, encerrando com chave de ouro: as duas melhores quadras são justamente as últimas.

    Amarra o @cyberlivingdead no chão senão ele sai voando! :D

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu, Edu. É sempre bom agradar pessoas com tão refinado apuro para a leitura como você e o Ed.
      Quanto ao lado emotivo do nosso amigo, nem amarrando ele deixará de flutuar. O cara é um eterno romântico. Abraços e obrigado por comentar por aqui.

      Excluir