{lang: 'en-US'}

terça-feira, 17 de julho de 2012

Parte do acervo de obras de arte de Hitler é redescoberto em um convento em Doksany, República Tcheca






A pesquisa de cinco anos feita pelo tcheco Jiri Kuchar revelou que 16 pinturas na República Checa eram parte do acervo possuído por Adolf Hitler. As obras de arte, que Hitler comprou na Alemanha durante a Segunda Guerra Mundial, foram transferidas para a Tchecoslováquia depois desta ter sido ocupada pelos nazistas, para evitar que fossem danificadas pelos ataques aliados.
Jiri Kuchar colocou sete das pinturas em exposição para jornalistas no convento em Doksany no norte da República Checa, onde as identificou. Hoje, disse ele, elas valem cerca de 50 milhões de coroas (R$ 1,7 milhão). "Ninguém acreditou em mim que poderia ser verdade", disse Kuchar de suas descobertas. O autor, que se autodenomina "um amador e entusiasta", escreveu sobre suas descobertas.
Kuchar disse Hitler comprou as 16 pinturas - de artistas alemães, como Franz Eichhorst, Herrmann Paulo, Hilz Sepp, W. Friedrich Kalb, Oestreicher Oscar, estepes e Edmund Reumann Armin - em 1942 e 1943 nas grandes exposições de arte alemãs que foram realizadas anualmente em Munique a partir de 1937 até 1944. O instituto alemão, cujo banco de dados inclui as obras e os seus compradores - Zentralinstitut fur Kunstgeschichte em Munique - confirmou a propriedade de Hitler.
Como um ex-artista, Hitler era um amante da arte e colecionador. Incontáveis ​​pinturas, muitas feitas por grandes pintores europeus, foram apreendidas pelos nazistas durante a Segunda Guerra Mundial. Em um ponto, a coleção particular de Hitler, conhecida como a "Coleção Linz," incluiu quase 5.000 obras, e os nazistas tinham um projeto para criar um museu para elas em Linz, na Áustria.
Além das sete obras identificadas no convento, Kuchar encontrou mais sete que Hitler tinha possuído uma vez no norte da República Tcheca. Algumas contêm sinais evidentes de propaganda nazista, disse Kuchar.
Durante a ocupação, acredita-se que as 16 obras faziam parte da coleção de Hitler de mais de 70 peças de arte contemporânea alemã que o Terceiro Reich armazenou em um mosteiro na cidade sulista tcheca de Vyssí Brod, juntamente com as maiores coleções de pinturas valiosas roubadas de famílias judias da Europa.

Uma pintura de 1943 feita pelo pintor alemão Franz Eichhorst nomeada "Reminiscência em Stalingrado"
Após a guerra, valiosas pinturas possuídas pelos nazistas foram confiscadas pelo Exército dos EUA e levadas para o Ponto de Coleta de Munique Central em um esforço para devolvê-las aos seus donos originais. Muitas obras de menor valor foram deixadas para trás após a libertação em 1945 da Tchecoslováquia e acabaram espalhados pelo país.








Franz says: apesar de algumas das obras não retornarem às famílias dos donos originais ou estarem disponibilizadas em museus, é inegável o valor da descoberta, principalmente no tocante ao apuro artístico do próprio Hitler que foi reconhecido historicamente como um artista frustrado. A coleção reflete uma parcela da personalidade do líder nazista que, reconhecidamente, era um admirador das artes mais conservadoras.
←  Anterior Proxima  → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário