{lang: 'en-US'}

segunda-feira, 23 de abril de 2012

Leilão de ferramentas de tortura é suspenso na França após polêmica




Esmagador de mãos era uma das peças da exposição
Fonte: BBC
Um leilão de objetos de tortura que deveria ocorrer na terça-feira em Paris, foi suspenso após uma grande polêmica no país e por protestos de organizações de direitos humanos.
Em um comunicado conjunto, organizações não-governamentais como a Anistia Internacional afirmaram ser ''chocante e inaceitável'' que instrumentos utilizados para torturar e executar pessoas possam ter fins comerciais.
''Diante da emoção suscitada por essa venda, decidimos suspendê-la para que todas as partes envolvidas possam examinar com calma o conteúdo real dessa coleção'', afirmou o leiloeiro Bertrand Cornette de Saint Cyr.
A venda, intitulada ''Penas e castigos do passado'', reunía 350 objetos e documentos ligados à tortura de prisioneiros e à aplicação de penas capitais na Europa ao longo dos séculos.
Entre eles, um aparelho para esmagar as mãos, uma banheira para recolher cabeças decapitadas, máscaras usadas por carrascos para esconder o rosto durante a execução do condenado e uma cadeira com assento repleto de pontas espetadas.
A coleção, estimada em 200 mil euros, também tinha um chicote encontrado na Torre de Londres (que funcionou como uma prisão até o século 12) ou ainda uma corda de enforcamento ''autografada'' pelo carrasco britânico Syd Dernley, que atuou nos anos 50 e morreu em 1994.
A Pêra: introduzida em vaginas e ânus para uma dor indescritível

'Pêra da angústia'

A venda incluía ainda uma ''pera da angústia'', como era chamado o instrumento colocado na boca e que ia aumentando de volume para sufocar os gritos dos prisioneiros que podiam ''incomodar'' os juízes dos tribunais da Inquisição.
A ''pera da angústia'' também era usada nas partes genitais de homossexuais ou de mulheres suspeitas de ter relações com o ''diabo'' na Idade Média.
O proprietário da coleção posta à venda também foi motivo de polêmica na França.
Os objetos e documentos pertenciam ao ex-carrasco francês Fernand Meyssonnier, que realizou, sob ordens do governo da França, quase 200 execuções na Argélia entre 1957 e 1962, no período da guerra de independência do país.
O leilão, que não continha nenhum objeto da guerra civil da Argélia, havia sido organizado a pedido da família do ex-carrasco, falecido em 2008.
O ministro da Cultura, Frédéric Mitterand, também havia criticado a venda e expressado o desejo de que ela fosse cancelada.

'Morbidez e barbaridade'

''A natureza da coleção se enquadra mais na categoria de morbidez e barbaridade do que cultural. Ela também provoca, em razão de sua origem, dolorosos questionamentos históricos'', declarou o ministro.
Em um comunicado conjunto, organizações de direitos humanos afirmaram que a venda é ''uma ofensa à memória e à dignidade das pessoas que sofreram torturas''.
''Em vários países, o uso da tortura ainda é uma prática comum. Aceitar a venda desses objetos significa banalizar o flagelo'', diz o comunicado das ONGs, que pediram ao governo francês para que a coleção seja adquirida por museus.
Antes mesmo do início previsto da venda, o leiloeiro já havia decidido, na semana passada, retirar da coleção a réplica de uma guilhotina, afirmando que ainda existe um ''contexto emocional'' na França em relação ao objeto.

←  Anterior Proxima  → Página inicial

2 comentários:

  1. Queria ver uma feira dessas... acho bobeira o cancelamento. É bom vc saber do que o ser humano era (é) capaz.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A história tem que ser contada e recontada, seja ela boa ou má. As atrocidades feitas pela mão do homem (não estou falando do Ned Stark, o Mão) precisam ser mostradas aos jovens e velhos. A memória não pode ser apagada.

      Excluir