{lang: 'en-US'}

quarta-feira, 25 de abril de 2012

George R.R. Martin na primeira pessoa: um céptico com fome de encontrar Deus




Fonte: Diário Digital. Por Fátima Moura da Silva

Texto mantido no idioma original, buscando preservar a autenticidade de seu autor e em respeito ao trabalho do site que o publicou. O Diário Digital é um site português.

Escreve histórias do Fantástico, mas diz-se um homem da ciência. Na política define-se como liberal democrata, já foi activista, actualmente pensa que pode intervir mais através da escrita. George R.R. Martin, autor da saga «As Crónicas de Gelo e Fogo», confessa-se um «céptico» mas com «fome de encontrar Deus». (Aviso: este texto pode «estragar» a surpresa para quem ainda não leu os livros da saga)

O autor está em Lisboa e conta como «corre» atrás daquela história que um certo dia o invadiu, cheia de magia, intrigas,  lutas, alianças, jogos de sedução e luxúria. Sabe como acaba, mas isso não conta.

Em vésperas de o Syfy lançar a segunda temporada de «A Guerra dos Tronos» (o primeiro livro da saga),  da HBO, a 23 de abril, George R.R. Martin conta que entre todos os livros que já escreveu – entre ficção científica, fantástico, terror – esta saga é o seu «bebé».

«Não sei de onde a ideia veio, mas veio tão vívida e forte que pus o outro livro de lado e tive que a escrever. Aquele primeiro capítulo levou só três dias, mas quando acabei já sabia como seria o próximo e acabei por escrever no verão de 1991». Quando voltou à história, em 1994, parecia que em vez de dois anos tinham passado dois dias. «É preciso apanhar o momento. O que importa é que a história vem».

Alguns personagens têm que ser eliminados, uma vez que com cada livro surgem novos. É um desafio para o argumentista e para a HBO, manter tudo sob controlo, pois requer mais actores, salários, afirma.

E apesar de tantas personagens e de tantas estórias dentro da história, entrelaçando-se umas nas outras, garante que não se perde no meio, mas algumas vezes tem de voltar atrás e reler coisas, para fazerem sentido e serem coerentes. «Às vezes corrijo algumas inconsistências, mas estes personagens são tão reais para mim...vivo com eles. Às vezes digo que deve haver alguma coisa errada com o meu cérebro, porque a maior parte das pessoas ocupa o seu com pessoas reais, enquanto eu, na vida real, conheço pessoas hoje e esqueço-as amanhã». «Mas mesmo as personagens secundárias em Westeros, vejo-as na minha cabeça, como se vestem, como falam, a sua aparência..» . «Fico sempre ligado a elas, mesmo às que são cheias de defeitos como Theon Greyjoy ou Victarion Greyjoy, podem ser personagens perversas, mas quando se escreve sobre elas e se vive com elas percebe-se o que lhes vai na cabeça e porque são como são, quais são os seus demónios pessoais, chega-se a sentir compaixão», conta. 

«Gosto de todos os personagens, como todos os pais gostam de todos os filhos, embora haja sempre um favorito...só não o confessam. O meu favorito é Tyrion - o anão filho do homem mais rico de Sete Reinos,  Tywin Lannister, e interpretado na série por Charles Dance –, gosto da sua inteligência».

«Gosto de todos, mas não quer dizer que não os mate, a história é quem manda e eu sigo a história onde ela me quer levar», assegura, acrescentando que a criação de personagens fortes, complexas e ligadas à realidade é central em todo o processo, não importa qual seja o género literário.  «A  fantasia peca muitas vezes por ter personagens fracas,  muito «a preto e branco», ou heróis ou vilões, bons ou maus,  a maior parte dos seres humanos não é assim». «Todos nós somos capazes do bem e do mal, de actos de heroísmo e de cobardia, dependendo das condições daquele preciso momento», afirma.

«É isso que adoro e acho fascinante na raça humana, a complexidade, as várias camadas dentro de cada ser e a maneira como se entrelaçam. Isso é o que tento dar às minhas personagens», explica.

A cena mais difícil de escrever foi sem dúvida o Casamento Vermelho. «Foi muito doloroso, mas a dor é parte do processo». Ficou muito afectado, porque teve que matar personagens que lhe eram muito caros, muito reais, que o acompanharam durante muito tempo, Catelyn Stark (interpretada por Michelle Fairley) e o seu filho Robb Stark (interpretado por Richard Madden).

Escritor do Fantástico, confessa-se, no entanto, um céptico. Católico de educação, afastou-se pouco a pouco e deixou de ir à missa quando entrou para a faculdade. «E não sou uma pessoa mística, sou uma pessoa de ficção científica, preciso de provas, não me falem de deuses sem me poderem provar que na realidade existem», afirma, admitindo que, no entanto, ao mesmo tempo tem «uma fome, adorava encontrar provas da existência de Deus, da vida após a morte». «Eu escrevo sobre isso e sobre o efeito das religiões nas pessoas, mas escrevo com base no meu conhecimento histórico das coisas», diz. «É uma questão fascinante, mas sou um céptico».

Já em relação à política mostra-se muito interessado e confessa que segue o tema de perto. Foi objector de consciência e anti-guerra do  Vietname, era muito pró hippie, define-se como um democrata liberal, mais liberal que democrata, mas considera que pode intervir mais através da escrita. Às vezes recebe mensagens zangadas dos fãs republicanos/conservadores, e lamenta que os  republicanos tenham «sido tomados pela direita». «A extrema direita na América é assustadora, é algo a que me oponho, não acredita no aquecimento global, não acredita na ciência, há um forte grau de negação».

Modesto, George R.R. Martin sentiu-se muito honrado com a designação que a revista Time lhe atribuiu de «uma das pessoas mais influentes do mundo», mas considera que na lista havia pessoas que na realidade influenciam muito mais a sociedade que ele próprio.

O autor mostra-se muito satisfeito coma forma como o livro foi transportado para o pequeno écran. São 10 horas para 10 episódios. «Há muitas limitações em televisão, mas tendo em conta essas limitacões, a HBO foi  muito fiel ao livro», disse. «Não se limitaram a retirar elementos da história e a fazer outra, como muitas vezes acontece». «Acho que os meus fãs também estão contentes, à excepção de alguns puristas».

George Martin estará presente hoje na pré-estreia do primeiro episódio da nova temporada da série, nos cinemas UCI do El Corte Inglês em Lisboa, pelas 20 horas. No final, o autor disponibilizar-se-á para responder a perguntas dos seus fãs.
←  Anterior Proxima  → Página inicial

Um comentário:

  1. Tyrion é o personagem favorito do George! :D Acho que isso se deve justamente porque o Tyrion é uma síntese de como a questão bem-mal/certo-errado é retratada no livro. Poxa, vou ser sincero, desconheço um autor de literatura fantástica que retrate com tanta complexidade moral os seus personagens. Obviamente isso não diminui o mérito dos demais, mas o George se mostra um escritor de talento imenso quando o assunto é personagens de alta profundidade. Essa perspectiva religiosa dele esclarece muito do motivo de como o fantástico (magia e seres fantásticos) são vistos em sua obra.

    ResponderExcluir