{lang: 'en-US'}

domingo, 26 de fevereiro de 2012

resenha do livro "O Aliciador"





Autor: Ednelson Jr.

Não adianta saber como.
Não ajuda compreender por quê.
Não basta descobrir quem.
[...] às vezes o mal nos engana, assumindo a forma mais simples das coisas.” – Pág. 16.

Sinopse: O criminologista Goran Gavila e a equipe de investigação de homicídios enfrentam um caso perturbador: seis braços de meninas entre 9 e 13 anos são desenterrados em um bosque. Cinco das crianças identificadas desapareceram na última semana. Conforme os cadáveres emergem, as esperanças de que a sexta menina esteja viva provocam uma corrida contra o tempo, mas as pistas, em de levarem a equipe ao culpado, revelam-se parte de um plano friamente arquitetado pela mente cruel e brilhante do assassino.
Análise
A trama não perde tempo com rodeios e já se inicia em um clímax pesado nos jogando em meio à investigação do desaparecimento de seis meninas e o encontro de um cemitério com seis braços esquerdos. O que inicialmente parece com acaso ganha contornos muito mais complexos e uma rede de questionamentos são gerados em poucas páginas, já demonstrando que esse é um daqueles livros que promete entretenimento por muitas horas ou dias (fato que varia de acordo com o ritmo de leitura de cada um). Essa é uma característica que vai se manter firme e forte no decorrer do livro.
Os personagens que integram o grupo de investigação designado para averiguar os desaparecimentos das garotas é composto pelos mais variados tipos humanos. Uma mulher que sofre da incapacidade de manifestar empatia, aspecto anômalo reforçado em seu corpo de traços pouco femininos que demonstra a dureza de seu interior, um criminologista que demonstra exímio domínio sobre a capacidade de esmiuçar as mentes e fatos mais tenebrosos que cercam a nossa civilização e às vezes saltam das sombras por meio de nossos semelhantes, um homem de fortes convicções religiosas que parece encarar a sua tarefa policial como um exercício de fé e combate ao mal, uma mulher que parece se sentir ameaçada pela presença de uma estranha no grupo do qual já se sente como a fêmea dominante, um homem bem humorado e que se utiliza de sua veia cômica para aliviar a tensão de sua profissão e tantos outros personagens com modos e vocabulários diversos.
Uma das coisas apaixonantes nesse livro, para quem não perde a oportunidade de ler um romance policial, é que o próprio escritor já trabalhou como criminologista, logo é de se esperar que as descrições de procedimentos de investigação sejam muito verossímeis e obviamente não nos decepcionamos, pois as descrições são feitas em uma narração que flui perfeitamente, sem muitos termos técnicos, o que poderia tornar a leitura um fardo ou quebrada pela necessidade de recorrer à dicionários ou outros meios para elucidar, e o brinde maior que nos é oferecido é que em alguns momentos tais procedimentos são comentados de modo claro e compreendemos a razão de certos detalhes nas ações como, por exemplo, maneira de se posicionar para um interrogatório etc. Não temos aqui um “manual completo do detetive particular”, contudo para os leitores que sempre querem compreender melhor e mergulharem nos terrenos em que pisam é um banquete digno de um rei!
Os capítulos variam bastante de tamanho e alternam entre várias cenas, personagens e tempo em alguns pontos. A trama evolui por muitos caminhos, os quais se aproximam e afastam como num movimento de respiração, mantendo o enredo sempre vivo e sem qualquer ponto morto que possa afetar a sua avaliação até mesmo para os leitores mais exigentes. O leitor se sente como um membro invisível na equipe de investigação, pois os acontecimentos conseguem acompanhar perfeitamente o desenvolvimento do pensamento do leitor sem atropelos que poderiam ocorrer em tramas aceleradas ou que as perguntas não respondidas ocasionassem um aspecto sombrio nas páginas do livro. Apesar dos inúmeros mistérios suscitados não nos tornamos vítima da síndrome do “fala demais e explica de menos”. Tudo no seu devido tempo vai se desenhando, mas, preparem-se, as reviravoltas são tantas como as subidas e descidas de uma montanha-russa.
Donato Carrisi
Uma marca que torna este livro distinto de tantos outros do mesmo gênero é como é esculpida a figura do serial killer, ícone que provavelmente é o mais explorado das histórias policiais. O serial killer não é percebido como uma figura sombria, apesar de seus atos serem cercados de velamento, um monstro, uma criatura vinda de uma dimensão que não a nossa, afinal como poderia ser uma entidade tão maléfica pertencente ao mesmo lugar que a simpática e gentil velhinha que dá alimento aos moradores de rua? O serial killer é humanizado, no sentido de que é reconhecido como uma possibilidade, ainda que assustadora, no desenvolvimento da psique de qualquer homem ou mulher. Desta forma o serial killer tem sua principal arma retirada. Que arma seria esta? É a incapacidade das pessoas que reconhecer aquilo que sequer tem um rosto. Então vocês podem me perguntar: Como dar um rosto a alguém que você sequer sabe quem é? Primeiro passo: reconhecer que aquilo ao qual pretendemos dar uma face, tornar reconhecível, é um igual, nesse caso significa assumir que os seres humanos podem atingir extremos no abismo e agir com uma crueldade requintada como o afinco de um artista em sua obra. Todavia quando se entra nessas sendas escuras pode-se voltar com algo preso em nosso espírito, uma coisa que residia lá nas sombras e agora está alojada em nossa mente como um verme no cadáver que apodrece abaixo da terra.
O mal nesse livro não é tão considerado como uma patologia, mas como uma inconveniência social que deve ser controlada, seja pela nossa própria mente ou por qualquer agente externo (policia etc). Afinal de contas todos temos nossos pensamentos inconfessáveis e segredos que enterramos o mais profundamente possível.
Como não poderia deixar de ser no desenvolvimento do livro começamos a enxergar alguns ângulos menos vistos dos personagens, passamos a conhecer seus segredos e pensamentos não revelados. Alguns desses segredos são de tamanho impacto que alteram os eventos posteriores e outros não influenciam tanto no futuro, mas lançam luzes sobre o caráter de alguns personagens. Surpresas são o que não faltam em “O Aliciador”.
O final é espetacular. Imprevisível e sem sombra de dúvidas completamente fora dos padrões da história clichê dos mocinhos que caçam o bandido. Talvez alguns leitores mais acostumados às histórias que seguem um roteiro tradicional se sintam insatisfeitos, mas é como penso: Se nem na vida real tudo é justo, por que exigir isso na ficção? O autor não quis orquestrar a narração para atingir um final idealizado em um mundo perfeito, mas, deduzo eu, ter tecido tudo a partir de seu olhar para o mundo com o qual já esteve frente-a-frente em seu pior lado. O lado do qual nasce o serial killer. Donato Carrisi se confirmou como uma grande descoberta para mim e fico ansioso para ler outras histórias desse autor! Abraços! Boa leitura a todos!



Editora: Record
Autor: Donato Carrisi
Origem: Italiana
Ano: 2009
Edição: 1
Número de páginas: 434
Acabamento: Brochura
Formato: Médio
←  Anterior Proxima  → Página inicial

3 comentários:

  1. Site muito interessante, mas não há uma página explicando quem são os integrantes dele? #fikdik

    ResponderExcluir
  2. Brother, os integrantes estão na descrição do site, mas eis os nomes: Franz Lima, Ednelson Jr. e Priscilla Rubia.

    ResponderExcluir
  3. Bela resenha Ed! Me deixou doida pra ler o livro! Vou acrescentá-lo a lista já já. Meus parabéns!

    ResponderExcluir