{lang: 'en-US'}

quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

Making of de uma única cena de terror.




Este ensaio fotográfico serve para mostrar a nós, meros mortais, o quanto é trabalhoso montar uma única cena de terror. Produzir esta pequena foto gerou um trabalho enorme, envolvendo muitos profissionais das áreas de iluminação, maquiagem, fotografia e outros especialistas.
Vejam passo a passo o tortuoso caminho até chegar ao produto final (com excepcional qualidade, cabe ressaltar). Estudantes de fotografia e cinema vão gostar muito desta matéria, não tenho dúvida. 
A produção e as fotos são parte do site de Joshua Hoffine

Cena final
Detalhe - Cena final
Detalhe - Cena final
Este projeto começou como uma comissão. Uma banda de rock, de Ontário no Canadá, chamada Raggedy Angry me enviou um email perguntando se eu estaria interessado em criar a arte da capa de seu novo álbum intitulado COMO EU APRENDI A AMAR NOSSOS SOBERANOS ROBÔS. Disse-lhes que me inspirei com a palavra "Robô". Eu lancei uma idéia envolvendo um robô gigante com seringas para as mãos e enviei-lhes este esboço:


Eles gostaram da minha idéia e logo comecei a adquirir os materiais necessários para construir um robô em tamanho real. Meu primeiro passo foi contratar um artista "Steam Punk" chamado Cliff Robinson para aconselhar e ajudar a supervisionar a construção. Cliff me ensinou a pintar objetos de plástico de modo que parecessem metal. O corpo do robô foi feita a partir de um assento de bicicleta de bebê e um cesto de fraldas que eu encontrei em um brechó.

Detalhe do corpo do robô
Detalhe do corpo do robô
Passei semanas a vasculhar brechós e mercados de pulgas procurando partes do corpo em potencial. Eu usei peças de caminhões Tonka e carrinhos de golfe, garrafas de suco de uva, tripés, elementos de canalização de plástico, lanternas, sabres de luz de brinquedo e agulhas de tricô. Rebites foram feitos por "olhos arregalados", tinta spray e depois colados ao corpo.

Mais detalhes do corpo
A cabeça foi feita a partir de um umidificador de ar, antenas de rádio, e diferentes partes de naves de Star Wars reunidas. Nós colocamos uma pequena lanterna LED no interior do olho para que ele brilhasse. Foi importante para mim que meu robô tivesse um olho vermelho brilhando como HAL em 2001.


Detalhe da cabeça

Cabeça e corpo já dão forma ao robô
Eu recrutei meu amigo e frequente modelo Bob Barber para desempenhar o papel de vítima voluntária do robô. Bob desempenhou o papel de vilão em várias de minhas fotografias, incluindo DIABO, babá e, mais recentemente, buraco da fechadura. Mas esta é a primeira vez que ele foi escalado para interpretar a vítima em uma das minhas imagens.

Bob Barber, a vítima
Nós colamos apliques de látex nos braços de Bob para criar as marcas de grandes dimensões viciado.

Aplique nos braços

Maquiagem na face
Eu usei a sombra do olho para acentuar as características magras de Bob e acentuar as veias. Com o uso da cor preta (maquiagem) em sua camisa, obtivemos a aparência de quem está coberto de óleo do motor.

Acentuando as veias: aparência magra
Usamos borrifadores para criar a atmosfera de vapor. Demian e eu fizemos uma plataforma com um compressor de ar para lançar no ar. O grão e textura dos borrifos pareciam mais vapor do que a névoa suave que eu costumo usar.

Borrifadores

Nós anexamos hastes de metal para os braços do robô, para que meus assistentes Matt Tady e Demian Vela, pudessem de suas posições, manipulá-los como fantoches.

A cena sem a pós-produção
Depois de colocar Bob na posição, minhas recomendações a ele estavam focadas no olhar, como se ele estivesse em um estado de êxtase religioso. Tirei as varas de fantoches usando o Photoshop.

A cena quase finalizada
Eu também usei Photoshop para substituir as seringas de plástico amarelo por recipientes de vidro real com líquido. Eu fiz isso separadamente, para que eu fosse capaz de mostrar o fundo do fluido e destacar as bolhas de ar no interior.

O detalhe das seringas
Depois de fotografar Bob com o corpo principal do robô, fotografamos a perna do robô. Aqui você pode ver o Demian posicionando uma perna com o auxílio de uma linha de pesca de pesado calibre. A perna foi feita a partir de um sabre de luz de Star Wars, parte de um tripé, um velho aquário purificador e rodas dentadas de bicicleta. À esta altura, já havia acabado o dinheiro, então fiz apenas uma perna e fotografei-a em quatro posições diferentes, ajustando as luzes à medida que avançávamos. Eu adicionei as pernas para a fotografia original em Photoshop, completando o projeto do robô-inseto que eu estava buscando.

Como foi equilibrada uma das pernas do robô

Detalhamento da perna
←  Anterior Proxima  → Página inicial

4 comentários:

  1. Realmente criar toda uma atmosfera que colabore para uma cena de terror pungente é bastante difícil, essa mesma foi bastante complexa (olhando o resultado final nem parece né?). O que impressiona também são os materiais que foram usados na construção desse robô, coisas que muita gente nem vê como útil após o período em que sua utilidade passou. Se esse cara for contratado por um diretor de filmes com certeza vamos poder assistir uma produção incrível!

    ResponderExcluir
  2. Ed, o trabalho dele é muito, muito bom. Acompanhei algumas de suas produções (sempre com recursos, de certa forma, limitados) e não resta dúvida sobre a qualidade do trabalho. Postei essa matéria não só para divulgar o trabalho dele, mas também para incentivar os iniciantes em fotografia e cinema, através do exemplo.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  3. Nossa, muito interessante! Não tinha a mínima idéia de como uma simples fotografia daria tanto trabalho. Sinceramente pensei que a maioria do trabalho era feito no photoshop. Muito bem feito, o resultado final ficou excelente.

    ResponderExcluir
  4. Honestamente, eu também sequer desconfiava de que o trabalho para fazer uma única foto fosse tão grande. Outra parte muito interessante foi o aproveitamento de "sucatas", mostrando que a criatividade é tão útil quanto o dinheiro.

    ResponderExcluir