{lang: 'en-US'}

quarta-feira, 4 de janeiro de 2012

Andy Serkis merece o Oscar?




Alguns filmes já ousaram utilizar a  tecnologia de captura de movimentos, ainda que os resultados tenham sido muito abaixo do esperado (Beowulf e O expresso polar, apenas para citar). Claro, é preciso ressaltar que o desenvolvimento de novas tecnologias e atores mais experientes são fatores imprescindíveis para que tenhamos produções de qualidade infinitamente superior. 
Atualmente, o ator de maior destaque na atuação por meio da captura de movimentos é Andy Serkis. Ele já atuou em produções do porte de "O senhor dos anéis", "King Kong", "Planeta dos macacos: a origem" e, mais recentemente, "As aventuras de Tintim". Ainda há a cogitação de uma participação dele na filmagem de "A revolução dos bichos", baseada na obra de George Orwell.
Andy é o maior especialista da atualidade na representação (atuação) utilizando-se do recurso tecnológico de captura de imagens, mas ainda não teve o devido reconhecimento por parte da Acadêmia. Contudo, a Fox, produtora do longa "Planeta dos macacos: a origem", está fazendo uma campanha massiva para obter a indicação de Serkis por parte dos acadêmicos como melhor ator coadjuvante, fato inédito na história do cinema. 
Um fator que atrapalha bastante este tipo de indicação é a polêmica sobre até onde é atuação e a partir de que ponto temos a influência da tecnologia para aprimorar o trabalho do ator. Alguns questionam com base em preconceitos sobre o uso de computação para a criação de personagens, enquanto outros simplesmente não aceitam animações, CGI ou outro aparato para aprimorar um filme. Porém, o que seria de produções do porte dos próprios filmes em que Andy atuou e outras do padrão de "300", "Sucker Punch", "O estranho caso de Benjamim Button" e até "Capitão América", sem o uso destas ferramentas?

Eu, particularmente, dou total crédito a Andy por suas representações. Ele foi extremamente hábil e cuidadoso na elaboração de seus personagens em "Senhor dos Anéis" e nas outras participações que requeriam a presença de um personagem "virtual" (ele estava presente nas filmagens como qualquer outro ator). Uma clara prova da necessidade de um ator que, além de atuar bem, saiba lidar com a captura de imagens,está nos resultados insatisfatórios de produções como "Beowulf" e "O expresso polar". Porém é válido citar que estas produções não tinham os recursos e o avanço tecnológico de "Planeta dos macacos" e "As aventuras de Tintim".
Tecnologias à parte, esta versão de Planeta dos macacos é um grande sucesso e, em parte, isso se deve à presença de Serkis no elenco. Dar vida a um macaco que, gradualmente, ganha inteligência não é algo inimaginável. O que torna este filme especial é o fato de que, ao final dele, acreditamos na possibilidade de um primata ter uma inteligência igual ou maior que a humana. A trama se tornou verossímil.
Esta é a hora de valorizarmos os avanços e quebrarmos as barreiras impostas pelo desconhecimento e o preconceito diante das inovações. Serkis é um excelente ator e passou isto para as telas em seus papéis virtuais. Ele merece o reconhecimento de igual forma ao que foi concedido a Heath Ledger por sua atuação como o Coringa em "Batman: cavaleiro das trevas". Negar a importância do trabalho dele ou, em maior escala, a existência de suas atuações é uma injustiça de grande porte. Ganhando ou não, a simples indicação a ator coadjuvante para o Oscar de 2012 já é um prêmio para ele e uma prova de maturidade por parte da Acadêmia de Hollywood.
A Fox pode até não conseguir a indicação, porém é inegável a iniciativa em valorizar seu ator e o  trabalho por trás de sua atuação. Vamos aguardar...
Campanha da Fox para a indicação de Serkis



←  Anterior Proxima  → Página inicial

5 comentários:

  1. Eu também dou crédito para o Andy Serkis, Gollum/Smeàgol ficou perfeito nos filmes! Planeta dos Macacos ainda preciso assistir...realmente "Beowulf" ficou com um jeito artificial excessivo na atuação dos personagens, o melhor mesmo que foi o Rei (esqueci o nome) interpretado por Hopkins morre logo no inicio.

    ResponderExcluir
  2. Os filmes que citei como "catastróficos", em seu resultado final, poderiam até render ótimas produções. Mas houve uma perda de foco gigantesca na direção, na elaboração dos efeitos e, acredito, uma certa pressa em lançá-los. Todos esses fatores concorreram para o demérito dos filmes. Além disso, também temos a pressão dos estúdios, prazos,etc. Mas me equivoquei quanto à tecnologia, uma vez que Beowulf é de 2007. Apenas para citar, a trilogia "Lord of the rings" foi produzida entre 2001 e 2003, o que me leva a crer que houve desleixo por parte de quem produziu Beowulf e O expresso polar. Infelizmente, a direção dos dois longas ficou a cargo de Robert Zemeckis que, na década de 80 e ínicio dos anos 90 nos brindou com a trilogia "De volta para o futuro".

    ResponderExcluir
  3. Concordo completamente. O trabalho dele em Senhor dos Anéis e Planeta dos Macacos é incrível. Pode parecer fácil dar vida a um personagem, mas não deve ser... O rosto dele não aparece nos filmes, mas ele está lá, isso é inegável.

    ResponderExcluir
  4. Fato: o cara é ótimo ator. Lembrando que representar está além de ter boa dicção e desenvoltura na tela ou palco, pois é preciso saber expressar uma emoção de todas as formas possíveis e ele o fez.

    ResponderExcluir
  5. pra min king kong foi seu melhor trabalho!

    ResponderExcluir