{lang: 'en-US'}

terça-feira, 20 de dezembro de 2011

A AIDS no cinema. Conheça mais sobre alguns filmes.




Campanha de conscientização
A AIDS foi um dos temas mais discutidos dos últimos anos, abordado por meio de livros, quadrinhos, cinema, rádio e web, mas que está perdendo espaço para a falsa sensação de segurança que atinge a sociedade. 
Poucos noticiaram uma evento de cinema que aconteceu em São Paulo, onde o Cine Olido, juntamente com o Centro Cultural São Paulo (CCSP), trouxeram a 7ª Cinema Mostra Aids para abordar o assunto com a devida relevância que o tema merece. A mostra ocorreu de 19 a 25 de agosto de 2011 e foram exibidos filmes, documentários e curtas-metragens sobre o tema com entrada a R$ 1. A classificação indicativa era para maiores de 16 anos.
Divulgue estes filmes e, principalmente, ajude a disseminar a importância do uso de preservativos, agulhas individuais e outros métodos para evitar a contaminação.
Para os que perderam esta oportunidade, eis a relação dos filmes e suas sinopses para consulta e busca futuras:

Pedro (EUA, 2008, 90 min. Dir.: Nick Oceano).
Sinopse: Trajetória do cubano Pedro Zamora, o primeiro homossexual soropositivo a participar de um reality show na televisão americana.

Sexo Positivo (Sex Positive, Eua, 2008, 76 Min).
Sinopse: A trajetória de Richard Berkowitz, ativista revolucionário nos anos 1980. Profissional do sexo, ele emergiu do epicentro da epidemia como um líder da comunidade gay norte-americana, exigindo a evidência e a importância da prática do sexo seguro.

Campanha de conscientização
68 Páginas
Sinopse: O longa coloca em cena personagens encobertos pela indústria de cinema da Índia, como um bailarino transexual, um casal gay, um profissional do sexo e um usuário de drogas.

Defendendo a verdade – Rompendo o silêncio (Standing-n-Truth: Breaking the Silence, EUA, 2009, 75min, documentário. Direção: Tim Daniels).
Sinopse: O filme explora a identidade sexual dos afro-americanos e dá voz a várias personalidades: acadêmicos, artistas, padres e líderes políticos. Entrevista com um grupo de pensadores e amigos sobre o que representa ser negro e gay na América.

De  mãos atadas (Yadaim Kshurot, Israel, 2006, 90min. Direção: Dan Wolman).
Sinopse: História de uma relação sensível e complexa entre uma mãe e seu filho doente. Em busca de droga para aliviar a dor do filho, ela enfrenta uma jornada turbulenta nas ruas de Tel-Aviv.
(exibições em sequência)
20h – Mangostim – HIV/Aids in Malásia. EUA, 2006, 15min, documentário. direção: Greg Pacificar, Alzo Slade).
Sinopse: O filme se aproxima, por meio de um íntimo olhar sobre cultura, educação e ativismo, de Kuala Lumpur e sua conexão com a crescente propagação do vírus da Aids na Malásia.

Juntos para sempre...
Aids e preconceito ou a Pernalonga da história (Brasil, 2005, 17min, documentário. Direção: Wilson Freire).
Sinopse: Pernalonga é a alcunha do ator pernambucano Antonio Roberto de Lira França, figura popular e querida da cena alternativa de Recife. Ele se ligou desde os anos 1970 a diversas manifestações culturais. Bissexual, descobriu-se soropositivo em 1987, mas não desenvolveu a doença, o que não evitou que tivesse um fim trágico em 2000 por decorrência da Aids.

Under the skin (Brasil, 2010, 7min. Direção: Silvia Lourenço e Sabrina Greve).
Sinopse: O curta-metragem integra o projeto de doze episódios Fucking Different São Paulo, coprodução entre Brasil e Alemanha que já está em sua quarta edição, e foi selecionado para a mostra paralela Panorama do Festival de Berlim 2010. Depoimento de rapaz que descobre ser possível conviver bem com o vírus HIV. Miguel Dias conta como se reconheceu homossexual ainda adolescente, sobre a primeira transa aos 19 anos, a dificuldade de se revelar aos pais e os vários parceiros.

Act Up – Mudando a definição de Aids (Act Up Oral History Project, EUA, 2009, cor, 27min. Direção: Jim Hubbard e Sarah Schulman).
Sinopse: Em 1987, um grupo de aproximadamente trezentos ativistas homossexuais criou em Nova York o Aids Coalition to Unleash Power, ou Act Up, a partir de uma dissidência do Gay Men’s Health Crisis (GMHC). Desde então, organizou protestos e iniciativas de esclarecimento sobre a doença, com alvo principalmente na legislação, na pesquisa médica, no tratamento e na política de saúde.

A história de Rachel (Rachel’s Story, Inglaterra, 2002, 22min, documentário. Direção: Chris Smart).
Sinopse: Rachel Whitear cresceu como uma garota típica da classe média do interior inglês, com interesses diversos. Aos 18 anos, sua vida se transforma. Conhece um rapaz mais velho, viciado em heroína, com quem passa a namorar, e torna-se também dependente da droga. O desconhecimento dos familiares em relação aos tóxicos e a incredulidade de que a filha pudesse estar envolvida com um deles retardaram o auxílio e Rachel é encontrada morta por overdose em 10 de maio de 2000.

O Universo De Keith Haring (The Universe of Keith Haring, Itália/França, 2008, 90 min. Dir.: Christina Clausen).
Sinopse: Documentário sobre o artista plástico e designer norte-americano Keith Haring, que fez a ponte entre arte e cultura pop durante sua curta carreira.

Stephen Fry E A Aids (Inglaterra, 2007, 120 min. Dir.: Ross Wilson).
Sinopse: Depois de perder muitos amigos para a Aids, o ator Stephen Fry, autor deste roteiro, faz uma viagem pessoal pela Grã-Bretanha e tenta entender o porquê do aumento das infecções pelo HIV.

Rock Hudson – Belo E Enigmático (Rock Hudson – Dark and Handsome Stranger, Alemanha/França/Finlândia, 2010, 95 min. Dir.: Andrew Davies e André Schäffer).
Sinopse: Documentário sobre a vida e morte do galã de cinema Rock Hudson, e o impacto gerado pela descoberta de ser ele homossexual e portador do vírus HIV.


O universo de Keith Haring (The Universe of Keith Haring, Itália/França, 2008, 90min, documentário. Direção: Christina Clausen).
Sinopse: Artista e designer, Keith Haring criou o trabalho que fez a ponte entre arte e cultura pop durante sua curta, mas influente carreira. O universo de Keith Haring é abordado neste filme, que analisa a vida e a carreira desta figura influente da arte pop contemporânea e apresenta entrevistas com seus amigos e familiares.
Janaína Dutra – uma Dama de Ferro (Brasil, 2011, 50min, documentário. Direção: Vagner de Almeida).
Sinopse: Janaína Dutra, ou Jaime Cesar Dutra Sampaio, nasceu em 1961 em Canindé, no interior do Ceará, e morreu em 2004, vítima de câncer de pulmão. Sua trajetória, rememorada pelo filme, inclui a preferência por se tornar mulher, o uso de hormônios, já em Fortaleza, a rejeição dos familiares e a atuação na defesa dos direitos dos homossexuais e no esclarecimento da aids a sua classe.

Previna-se contra esta doença silenciosa. Não conte com a sorte: as cartas deste jogo estão marcadas. 
Não discrimine os portodores do HIV. Eles precisam de todo o apoio para continuar nesta luta. 

Veja mais nomes de filmes através da Folha
←  Anterior Proxima  → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário